Quando era pequeno o café para mim sempre teve um significado meio ruim:

…professores fumantes que tomavam café e vinham explicar as matérias no colégio bem pertinho com um bafão horrível… tomar café e não conseguir dormir direito… o gosto amargo que mesmo com açúcar ficava “ruim”… bebida só de adultos… etc…

Ficando mais velho e principalmente, ao começar a trabalhar a ver o café como um aliado, não tão saboroso, mas que segurava a onda nas horas que queria desmaiar no estágio.

O tempo foi passando e me habituei a tomar os cafés extra forte que eram vendidos no mercado, afinal só conhecia aquele.

Com a maturidade conheci o “verdadeiro café” aquele grão cheiroso que vem lindo cheios nuances de baunilha, frutas vermelhas, caramelo, acido na medida e super saboroso. E não sendo minha surpresa, poder tomá-lo SEMPRE sem açúcar e sentir o doce natural e todo o sabor.

Hoje em dia tomo café todos os dias como uma bebida deliciosa!!!!

DUDA ITAJAHY É CONTADOR DE ESTÓRIAS E CRIADOR DA LIQUEFEITO ONDE TRADUZ MARCAS E PESSOAS ATRAVÉS DE LÍQUIDOS, SABORES E AROMAS.